Polícia do Rio segue três pistas sobre morte de coronel

Assalto, vingança ou eliminação de provas são as três pistas que a polícia do Rio de Janeiro está a seguir para encontrar o motivo da morte do coronel Paulo Malhães, um mês depois de este ter admitido o seu envolvimento em torturas durante a ditadura (1964-85).

Paulo Malhães, de 77 anos, foi o primeiro militar a fazer uma confissão do género no Brasil, único país da América Latina a nunca ter julgado os crimes da ditadura graças a uma lei de amnistia.

"Não afastamos qualquer hipótese. Sabemos que ele tinha testemunhado na Comissão Nacional de Verdade", sublinhou o comissário encarregue do caso, Fabio Salvadoretti, citado pelo diário O Globo.

A polícia federal vai agora prosseguir a investigação iniciada pela polícia civil.

Segundo o comissário Salvadoretti, o corpo de Malhães foi encontrado no chão, de barriga para baixo, com uma almofada em cima da cabeça e marcas no rosto e pescoço. Um cenário que deixa supor que tenha sido morto por asfixia. Dois computadores, joias, 700 reais (250 euros) e três armas que o militar colecionava foram roubados.

Três homens, um deles encapuzado, entraram na quinta-feira na residência do coronel, na zona rural de Nova Iguaçu, nos arredores do Rio de Janeiro, onde terão ficado durante cerca de oito horas, segundo declarações da viúva, Cristina Batista Malhães.

Os criminosos mantiveram o coronel, a mulher e os empregados destes reféns em dois quartos separados, antes de se porem em fuga.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.