Mulheres consideram insultuosa publicidade a nova cerveja

Organizações de mulheres de Moçambique ameaçam "usar todos os meios" para retirar das ruas cartazes que promovem uma nova garrafa da cerveja Laurentina com o slogan "Esta preta foi de boa para melhor".

"Vamos usar todos os meios para que os cartazes que foram colocados em Maputo ou nas províncias sejam retirados porque são um insulto", disse hoje à Lusa Maira Domingos, do Forum Mulher, que agrupa mais de 80 organizações femininas no país.

Os cartazes que anunciam a nova embalagem da cerveja preta da Laurentina exibem uns quadris femininos para ilustrar a informação de uma nova "garrafa mais sexy" e a conclusão que está a enfurecer sectores da sociedade civil: "Esta preta foi de boa para melhor".

O produtor da Laurentina, Cervejas de Moçambique (CDM), detido pelo gigante cervejeiro mundial SAB Miller, desvalorizou a polémica, afirmado que a empresa "não pretendia ferir suscetibilidades" da população.

"Vamos analisar o caso e se chegarmos à conclusão de que a reação é negativa vamos retirar a publicidade. O propósito era o de conferir uma atitude positiva em relação a outras marcas", explicou na terça-feira numa conferência de imprensa Pedro Cruz, diretor de marketing da CDM.

Hoje, feriado em Moçambique, os cartazes continuam expostos na capital e o Forum Mulher não se mostrou convencido pelos argumentos da CDM.

"As explicações não nos convenceram e amanhã (quinta-feira) vamos reunirmo-nos para tomarmos decisões, que podem passar pela realização de uma marcha contra os cartazes", disse Maira Domingos.

Em declarações à Lusa, Pedro Cruz remeteu para quinta-feira esclarecimentos adicionais sobre a polémica.

Criada em 1932, a Laurentina (que significa natural ou originária de Lourenço Marques) é a cerveja moçambicana mais conhecida internacionalmente e, atualmente, vendida nas versões branca, preta e premium.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Líderes

A União Europeia e a crise dos três M. May, Macron e Merkel

Já lhe chamam a crise dos três M. May, Macron e Merkel, líderes das três grandes potências da UE, estão em apuros. E dos grandes. Numa altura em que, a poucos meses das eleições para o Parlamento Europeu, florescem populismos e nacionalismos de toda a espécie, pela Europa e não só, a primeira-ministra do Reino Unido, o presidente de França e a chanceler da Alemanha enfrentam crises internas que enfraquecem a sua liderança e, por arrastamento, o processo de integração da UE.