Dilma reconhece que é preciso esperar por 2.ª volta

A Presidente brasileira cessante e candidata presidencial, Dilma Rousseff, votou hoje na cidade de Porto Alegre, reconhecendo a hipótese das eleições, que hoje decorrem no Brasil, serem resolvidas numa segunda volta.

"Trabalho com a hipótese das duas voltas, mas isso será decidido nas urnas", afirmou Dilma Rousseff, que surge nas sondagens como a candidata mais forte, ao reunir 40% das intenções de voto.

Se nenhum dos candidatos presidenciais superar os 50%, a eleição será resolvida numa segunda volta disputada entre os dois candidatos mais votados. A segunda volta está prevista para 26 de outubro.

De acordo com as sondagens, o segundo lugar está a ser disputado entre o candidato do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), Aécio Neves, e a ecologista Marina Silva, do Partido Socialista Brasileiro (PSB).

Rousseff, candidata do PT (Partido dos Trabalhadores), reiterou hoje que não é ela que vai escolher o seu adversário para uma eventual segunda volta.

"Quem decide é o povo. Seria desrespeitoso afirmar que prefiro um ou outro candidato", declarou a candidata do PT, que irá aguardar os resultados oficiais em Brasília.

Entre os principais candidatos presidenciais, Rousseff foi a primeira a votar. Aécio Neves irá votar em Belo Horizonte, enquanto Marina Silva estará na cidade de Rio Branco, capital do Estado amazónico do Acre.

Mais de 142,8 milhões de eleitores da República federal do Brasil -- onde o voto é obrigatório -- são chamados às urnas hoje para eleger um novo Presidente, 27 governadores, 513 deputados nacionais, 1.069 deputados federais e 27 senadores (um terço do Senado).

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.