Brasil pede à Alemanha acesso a arquivos da ditadura

A Presidente do Brasil, Dilma Rousseff, pediu hoje ao homólogo alemão, Joachim Gauck, o acesso aos arquivos sobre a ditadura brasileira que possam existir na Alemanha, para adicioná-los ao trabalho desenvolvido pela Comissão da Verdade.

"Tenho grande admiração pelo ativismo e trabalho (de Gauck) para promover a verdade e reconciliação na Alemanha e por isso eu pedi-lhe para ter acesso aos eventuais arquivos existentes que possam beneficiar o trabalho da Comissão da Verdade", disse Rousseff em declarações a jornalistas em São Paulo.

A Presidente brasileira não especificou quais são os arquivos que podem existir na Alemanha.

Sobre o pedido de Dilma Rousseff, Gauck, também presente em São paulo, comentou: "Eu, por muito tempo, fui responsável pelos arquivos da ditadura comunista e era necessário preservar os arquivos que diziam algo sobre pessoas inocentes."

"Quando se trata de preservar o passado, sou um especialista", disse Gauck, que coordenou a comissão alemã que controlou a dissolução da Polícia secreta da Alemanha Oriental após a reunificação.

Gauck declarou a sua admiração pela decisão do Governo brasileiro de nomear uma Comissão da Verdade (que investiga as violações dos direitos humanos), criada por Dilma Rousseff em 2012 e composta por advogados, diplomatas e ex-fiscais.

"Quero mostrar o meu respeito pela Presidente Rousseff por ter instalado a Comissão Nacional de Verdade e é necessário aproveitar a oportunidade de encontrar a verdade e perceber se a comissão tem o apoio necessário para o acesso a todas as fontes", disse o Presidente alemão.

Rousseff e Gauk inauguraram hoje World Trade Center de São Paulo o 31.º Encontro de Negócios Brasil-Alemanha, organizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) e a Associação Federal da Indústria Alemã (BDI - Sigla em Alemão).

Antes da abertura do encontro, que termina terça-feira, com a participação de 2 mil empresários e ministros dos dois países, os dois chefes de estado falaram de temas da agenda bilateral durante uma reunião, com ênfase aos tema comercial e da cooperação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.