Afonso Dhlakama assegura que não vai recorrer à violência em Moçambique

O presidente da Renamo, Afonso Dhlakama, garantiu hoje em Maputo que não vai recorrer à violência, após as eleições gerais em Moçambique, e disse estar pronto para negociar com o Governo a criação de "uma verdadeira democracia".

"Não é preciso violência", declarou o líder da Renamo (Resistência Nacional Moçambicana), em conferência de imprensa realizada em Maputo, recusando que o tratem como um belicista: "Isto significa que não vou andar aí tiros".

Afonso Dhlakama considerou que as eleições gerais de quarta-feira foram uma "fantochada", mas manifestou disponibilidade para dar prioridade ao diálogo "com os irmãos do Governo de Moçambique" e "fazê-los ver que já é tempo que o povo seja soberano e possa ser, de facto, governado por governantes eleitos democraticamente".

Os mais recentes resultados, ainda parciais, concedem ao candidato da Frelimo, no poder, Filipe Nyusi, cerca de 60% dos votos, enquanto Dhlakama terá quase 30%, ou seja o dobro do seu resultado nas presidenciais de 2009.

Mais de dez milhões de moçambicanos foram chamados na quarta-feira para escolher um novo Presidente da República, 250 deputados da Assembleia da República e 811 membros das assembleias provinciais.

No escrutínio concorreram três candidatos presidenciais e 30 coligações e partidos políticos.

Exclusivos

Premium

Clássico

Mais de 55 milhões de euros separam plantéis de Benfica e FC Porto

Em relação à época passada, os encarnados ultrapassaram os dragões no que diz respeito à avaliação do plantel. Bruno Lage tem à sua disposição um lote de jogadores avaliado em 310,7 milhões de euros, já Sérgio Conceição tem nas mãos um grupo que vale 255,5 milhões. Neste sábado, no Estádio da Luz, defrontam-se pela primeira vez esta temporada.