Família do governador de Brasília investigada por corrupção

A polícia brasileira está a investigar vários familiares do governador de Brasília, Agnelo Queiroz, por suposto enriquecimento ilícito, noticiou a revista Isto É na edição posta hoje à venda.

A investigação complica a situação do governador da capital brasileira e dirigente do Partido dos Trabalhadores (PT), já sob investigação por alegada corrupção quando era ministro do Desporto do Governo do então Presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010).

Segundo a reportagem da Isto É, a polícia federal está a investigar como a mãe, os irmãos e um sobrinho de Queiroz acumularam em apenas três anos bens no valor de 10 milhões de reais (cerca de 4,1 milhões de euros).

A revista escreve que o irmão do governador e ex-segurança Ailton de Queiroz adquiriu em três anos uma agência de aluguer de automóveis e o "franchising" de uma conhecida confeitaria, além de ajudar a irmã, Anailde Queiroz, a comprar uma fazenda no estado de Goiás.

Familiares do político também compraram o "franchising" de quatro restaurantes de comida rápida localizados em centros comerciais de Brasília, veículos de luxo e um apartamento.

Os bens, segundo a revista, foram adquiridos entre princípios de 2008 e Setembro de 2010, período em que Queiroz era director da Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) do Ministério da Saúde.

As fontes policiais citadas pela Isto É asseguraram que os familiares dos governadores não têm rendimentos compatíveis com aquele enriquecimento.

"O Ministério Público e a Polícia Federal suspeitam que a família de Agnelo (Queiroz) está a ser usada para branquear recursos desviados dos cofres públicos", escreve a revista, que afirma ter tido acesso a cópias de documentos da investigação.

O jornalista Cláudio Dantas, autor da reportagem, afirmou ter recebido ameaças do irmão do governador quando o questionou acerca das suspeitas e depois da publicação da reportagem.

O governador negou as acusações e atribuiu-as a uma conspiração contra a "renovação dos costumes políticos" em Brasília, em declarações feitas após um ato público realizado hoje e num comunicado divulgado pela sua assessoria de imprensa.

"De todas as tentativas criminosas de atacar a imagem do governador, esta é a mais irresponsável e repugnante, por faltar ao respeito aos seus familiares, principalmente a sua mãe, com mentiras grosseiras e sem relação com a realidade", lê-se no comunicado.

De acordo com o governador, que manifestou a intenção de processar a revista e o autor do artigo, a reportagem oculta informações importantes, usa falsos fundamentos e inclui valores irreais de rendimento e de património.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG