Centenas procuram parentes em morgues improvisadas

(COM VÍDEOS) Na cidade brasileira de Teresópolis, a 100 km do Rio de Janeiro, centenas de pessoas acorrem desesperadas a duas morgues improvisadas, à procura de parentes desaparecidos nas violentas enxurradas dos últimos dias.

Imagens das regiões mais afectadas de Teresópolis (veja mais vídeos no fim do artigo):

Às morgues improvisadas em Teresópolis, instaladas numa antiga igreja e no comissariado da polícia, acorrem centenas de pessoas em busca de parentes desaparecidos, ou para identificar as dezenas de corpos recolhidos por equipas de resgate. À entrada da igreja, os empregados da câmara municipal exibem fotos, a maioria de crianças, mulheres e idosos com os rostos cobertos de lama, muitas vezes feridos ou desfigurados, difíceis de identificar.

"Não me atrevo a entrar, não tenho coragem", disse à AFP, em lágrimas, Ana Maria, uma dona de casa de 40 anos. Ana Maria procura vários membros da sua família que moravam em bairros afectados pelas chuvas torrenciais na noite de terça para quarta-feira.

Três mulheres que examinavam as fotos das vítimas explodiram em lágrimas de repente, ao identificar um parente morto. Depois abraçaram-se. "Você não sabe como é duro ver tantos corpos de crianças a chegar ... é horrível!", contou um bombeiro a trabalhar nos resgates.

Muitas vítimas foram realojadas no ginásio próximo da polícia, algumas em estado de choque. Os moradores menos afectados ajudam trazendo comida, alimentos e produtos de higiene pessoal, num esforço conjunto com os mais de 300 voluntários no local. Até agora, há registo de 500 vítimas mortais naquela que é considera a mais grave catástrofe natural de sempre no Brasil.

Exclusivos