Conseguido acordo sobre o nuclear iraniano. Irão pára de enriquecer urânio em troca de menos sanções

Notícia foi avançada pelo ministro dos Negócios estrangeiros do Irão e pela chefe da diplomacia europeia.

O Irão e seis potências mundiais chegaram hoje a um acordo de princípio relativamente ao programa nuclear iraniano que permitirá alguma normalização das relações entre este país e a comunidade internacional.

Segundo este entendimento, mais de dois terços da capacidade de enriquecimento de urânio será anulada e monitorizada durante dez anos.

Este é o primeiro grande passo para a concretização de um acordo mais completo, a assinar a 30 de junho, escreve a Reuters, citando fontes diplomáticas.

"Boas notícias" sobre as negociações sobre o nuclear iraniano, tinha divulgado na sua conta da rede social Twitter a chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Federica Mogherini, enquanto o chefe da diplomacia iraniana, Mohammad Javad Zarif, se referia a "soluções encontradas", também em mensagem Twitter.

"Encontrámos soluções. Estamos prontos para redigir imediatamente [o acordo]", disse o ministro na sua conta na rede social, numa referência a um pacto nuclear mais detalhado e cuja componente técnica e legal deverá ser negociada até 30 de junho.

"Existe um entendimento sobre pontos-chave com vista a um acordo final", declarou por sua vez num Tweet o ministro alemão dos Negócios Estrangeiros, Frank-Walter Steinmeier.

O Irão possui atualmente 19 mil centrifugadoras de enriquecimento de urânio. Após a assinatura do acordo, este país compromete-se a diluir ou exportar a maioria das suas atuais reservas. O entendimento vai prolongar-se por dez anos e prevê que Teerão mantenha 6.000 das atuais 19.000 centrifugadoras de urânio, uma redução de cerca de dois terços, anunciaram hoje 'media' iranianos.

Este é o ponto principal do acordo conseguido entre o país presidido por Hassan Rouani e os seis países (Estados Unidos, Rússia, China, Reino Unido, França e Alemanha) do "grupo dos seis", que permitirá o levantamento da maioria das sanções económicas atualmente aplicadas ao Irão.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG