Companhias aéreas do Nepal proibidas de voar para UE

A Comissão Europeia procedeu à atualização da sua lista de companhias aéreas proibidas de operar ou objeto de restrições na União Europeia.

Com base nas informações de segurança de diversas fontes e em audições das autoridades aeronáuticas do Nepal, a UE decidiu colocar as companhias aéreas daquele país na "lista negra" de companhias proibidas de voar para os 28 países da União Europeia.

Em comunicado, Siim Kallas, vice-presidente da Comissão e responsável pelos Transportes saudou ainda os "progressos" feitos pelas companhias aéreas das Filipinas, Sudão e Zâmbia, apesar de estas continuarem na lista.

Esta nova lista vem substituir a adotada em julho deste ano e pode ser consultada no site da Comissão. A nova lista inclui 295 companhias proibidas de operar no espaço aéreo da UE e oriundas dos seguintes países: Afeganistão, Angola, Benim, Cazaquistão (à exceção de uma companhia aérea que opera com restrições e sob determinadas condições), República do Congo, República Democrática do Congo, Eritreia, Filipinas (à exceção de uma companhia aérea), Gabão (à exceção de três companhias aéreas que operam com restrições e sob determinadas condições), Guiné Equatorial, Indonésia (à exceção de cinco companhias aéreas), Jibuti, Libéria, Moçambique, Nepal, Quirguistão, São Tomé e Príncipe, Serra Leoa, Suazilândia, Sudão e Zâmbia. A lista inclui ainda duas companhias aéreas a título individual: Blue Wing Airlines, do Suriname, e Meridian Airways, do Gana, perfazendo um total geral de 297 companhias aéreas.

Além disso, inclui dez companhias aéreas objeto de restrições de operação e, por conseguinte, autorizadas a operar com destino à UE sob condições estritas: Air Astana do Cazaquistão, Afrijet, Gabon Airlines e SN2AG do Gabão, Air Koryo da República Popular Democrática da Coreia, Airlift International do Gana, Air Service Comores das Comores, Iran Air do Irão, TAAG - Linhas Aéreas de Angola de Angola e Air Madagascar de Madagáscar.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.