China filma assassinos a caminharem para a execução

Quatro homens estrangeiros foram executados esta sexta-feira, na China, pelo assassinato de 13 pescadores chineses, no rio Mekong em 2011. Antes das execuções, o "pequeno desfile" dos 4 homens foi acompanhado pela televisão estatal.

Os 13 pescadores foram encontrados mortos dentro de dois barcos chineses, em outubro de 2011. Segundo a comunicação social estatal, Naw Kham e os seus cúmplices tinham colaborado com os soldados tailandeses no ataque aos barcos.

A CCTV News transmitiu as imagens ao vivo dos 4 homens a caminharem para o local da execução. Apesar de não terem filmado o momento da morte, a China reagiu às imagens transmitidas com indignação, considerando-as insensíveis.

Segundo a BBC, os homens, que foram condenados à morte por injeção letal em Kunming, província de Yunnan, foram os primeiros criminosos da história recente da China a serem filmados antes da execução. Sendo que a CCTV é controlada pelas autoridades chinesas, restam poucas dúvidas de que as imagens transmitidas não tenham sido autorizadas pelos funcionários do governo, segundo o canal britânico.

O canal de televisão CCTV transmitiu uma entrevista com Naw Kham, considerado o líder do grupo, na quinta-feira passada: "Eu não tenho conseguido dormir bem nos últimos dois dias. Sinto falta da minha mãe. É muito doloroso o facto de não poder estar com meus filhos". O criminoso disse ainda que a mãe desconhecia o fato deste ter sido preso: "A minha mãe não soube que fui preso e estou preocupado como ela irá reagir quando souber."

Hua Chunying, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do país, prestou declarações de forma a justificar o sucedido: "Na minha opinião esta é uma importante mensagem que está a ser transmitida, ao mostrar a determinação da China e dos governos dos países relevantes a trabalharem juntos e, de forma dura, para combater a criminalidade transfronteiriça".

Apesar de já não o fazer há algum tempo, a televisão chinesa costumava ser usada para transmitir o desfile dos condenados a caminho das execuções. Em 2008, um homem, que assassinou a mãe, desfilou com um cartaz ao pescoço, onde estava detalhado o crime cometido.

O grupo foi preso no Laos e levado para a China em maio do último ano.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG