Cerca de 100 milhões de tubarões são mortos por ano

Segundo uma investigação, são mortos 100 milhões de tubarões, anualmente em todo o Mundo. Os investigadores afirmam que esta taxa de exploração é demasiado alta para uma espécie que se reproduz tão tardiamente.

De acordo com a BBC, o maior interesse para quem caça tubarões são as barbatanas, consideradas como tendo propriedades muitos apreciados pelos chineses que as usam para fazer sopa. Estes números foram divulgados num relatório publicado no "Journal Marine Policy".

Os investigadores admitem que instituir o verdadeiro nível global de pesca de tubarão é extremamente difícil. Quando capturados, ainda no mar, são-lhes retiradas as barbatanas, sendo o resto do corpo atirado ao mar. Estes peixes não são, muitas vezes, incluídos nos relatórios oficiais. No entanto, em 2010, os cientistas estimaram que a mortalidade variava entre 63 e 273 milhões de tubarões.

Demian Chapman, da Stony Brook University, em Nova Yorque, afirma que a qualidade dos dados existentes não é a pretendida: "Certamente que 100 milhões é a estimativa mediana, e esta é a melhor estimativa que temos".

Apesar do número de tubarões capturados não ter mudado substancialmente entre 2000 e 2010, os reponsáveis pela pesquisa garantem que as frotas de pesca comercial mudaram de localização.

Os investigadores mostram-se bastante preocupados com o fato de muitas espécies ameaçadas demorarem muito tempo a reproduzir-se: "Vários tubarões, que já têm preço no mercado, demoram cerca de uma década para atingir a maturidade", afirmou Chapman, indignado com a situação.

O maior motivo que leva à pesca deste animal tem sido a sopa de barbatana de tubarão, um produto de luxo nas comunidades chinesas. Porém, ainda há esperança para esta espécie. Apesar das barbatanas do tubarão estarem a ser cortadas, em vários locais do Mundo, o Canadá, os EUA, bem como alguns países da União Europeia, têm tentado restringir este ato através da lei .

Os negociadores, de 178 países, já se reuniram este ano em Banguecoque, onde participaram na reunião da Cites, a Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas. Algumas das propostas apresentadas têm como objetivo regular o comércio das cinco espécies de tubarões mais ameaçadas do mundo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG