Caça ao homem após tiroteio em debate sobre liberdade de expressão

Polícia dinamarquesa divulgou fotografia do suspeito, vestido de escuro e de gorro na cabeça. Ataque teria como alvo o cartoonista sueco Lars Vilks, autor de caricaturas de Maomé. Um civil morreu e três polícias ficaram feridos

O embaixador francês, uma ativista das Femen e o cartoonista sueco Lars Vilks - autor de caricaturas de Maomé - eram alguns dos convidados de uma conferência sobre liberdade de expressão ontem em Copenhaga. Eram 14.30 quando se ouviram os primeiros tiros disparados através da porta do café Krudttoenden, onde decorria o evento. No interior, todos se lançaram ao chão. Balanço: três agentes feridos e um civil, um homem de 40 anos, morto, no que a polícia dinamarquesa não quis classificar de imediato como ataque terrorista, apesar de não descurar a hipótese. Ao final do dia, as autoridades ainda procuravam o atirador.

Depois de ter falado em dois atiradores, ao fim do dia, a polícia dinamarquesa divulgou no Twitter uma imagem do suspeito, afirmando que afinal se tratava de um só homem. Vestido de preto e de gorro vermelho, tratar-se-ia de um homem "entre os 25 e 30 anos, cerca de 1,85 metros, atlético". Segundo a polícia, o homem teria pele escura, cabelo preto e teria coberto o rosto com um keffieh avermelhado.

Depois do ataque, os vidros do café exibiam mais de três dezenas de buracos de bala. O suspeito ter-se-à posto em fuga num Volkswagen Polo escuro, que foi mais tarde encontrado, vazio, a dois quilómetros do local. A chefe do governo de Copenhaga, Helle Thorning-Schmidt, pôs todos os meios à disposição das autoridades para encontrar os responsáveis pelo tiroteio. "Temos dias difíceis pela frente. Mas na Dinamarca nunca nos curvaremos perante a violência."

Leia mais pormenores na edição impressa e no epaper do DN

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.