Bush I, II e III? As inevitáveis comparações entre 3 homens muito diferentes

Na corrida às presidenciais 2016, Jeb tem procurado afastar-se das heranças do pai e irmão e sublinhar a sua individualidade dentro da dinastia Bush.

Ainda antes de anunciar a entrada na corrida à nomeação republicana para as presidenciais de 2016 nos EUA, Jeb Bush repetia: "Eu sou eu próprio." Uma tentativa para se afastar do apelido que já deu dois presidentes à América e pode fazer história se der um terceiro. Mas afinal, ao afirmar a sua individualidade, Jeb está apenas a seguir os conselhos do próprio pai, George H. W. Bush, que em 1998, quando George e Jeb eram ambos candidatos - o primeiro à reeleição como governador do Texas, o segundo ao primeiro mandato como governador da Florida - escreveu uma carta a ambos: "As comparações são inevitáveis e acabarão por nos magoar a todos, mas não serão suficientes para nos separar".

Agora, as comparações voltam a surgir, mas serão os Bush I, II e III assim tão parecidos?

Infância e juventude

Filho do senador Prescott Bush (ver caixa), George Herbert Walker Bush nasceu no Massachusetts em 1924, onde estudou, destacando-se em termos desportivos no basebol ou futebol. Depois do ataque japonês a Pearl Harbor que fez os EUA entrar na II Guerra Mundial, alistou--se na marinha como piloto. Condecorado, Bush pai parece não ter passado os dotes militares aos filhos. George Walker nasceu em 1946 no Connecticut, mas foi no Texas que cresceu. Apaixonado por basebol, frequentou a Universidade de Yale, onde, como o pai e o avô, pertenceu à sociedade secreta Skull and Bones. Mas ao contrário deste, nunca esteve na guerra. Serviu na Guarda Nacional no Texas, antes de ser dispensado em 1973, depois de perder a licença de voo por faltar a um exame de saúde. Sete anos mais novo do que George, John Ellis Bush (ou Jeb) já nasceu no Texas, onde o pai fez fortuna no petróleo. E não só não frequentou Yale - tirou Estudos Latino-Americanos no Texas, onde jogou ténis - como apesar de se ter alistado no exército, não foi aceite.

Leia mais na edição impressa ou no epaper do DN.

Exclusivos