Boko Haram mata mais 150 pessoas na Nigéria

O grupo islâmico já causou este ano mais de 3.000 mortos. O ataque no norte da Nigéria durou várias horas.

Mais de 150 pessoas, entre as quais 38 polícias, morreram num ataque na segunda-feira à cidade de Damaturu, no nordeste da Nigéria, atribuído ao grupo islâmico Boko Haram, declararam fontes médicas e da segurança à agência France Presse.

Segundo um alto responsável dos serviços de socorro e uma fonte médica no hospital Sani Abacha daquela cidade, 115 corpos foram transportados para a morgue após o ataque que durou várias horas. Adiantaram que seis soldados também foram mortos.

O porta-voz da polícia nigeriana, Emmanuel Ojukwu, declarou, por seu turno, que 38 polícias foram mortos no ataque.

Dos 115 cadáveres na morgue, todos vestiam roupas civis, mas alguns poderão ser de rebeldes.

O responsável dos serviços de socorro disse ainda que o ataque causou ferimentos em 78 pessoas, 53 das quais já deixaram o hospital.

As instalações da polícia foram incendiadas durante o ataque realizado de madrugada por um grande número de homens armados. Membros das milícias anti-Boko Haram da cidade afirmaram que 40 islamitas foram abatidos nos combates.

Interrogados pela AFP, nem o exército nem o governo do Estado de Yobe, do qual Damaturu é a capital, quiseram comentar o balanço do ataque.

O porta-voz do Estado de Yobe, Adullahi Bego, tinha afirmado na segunda-feira à noite que as forças de segurança tinham conseguido repelir o ataque graças a uma intervenção "aérea e terrestre".

O Boko Haram luta desde 2009 para instaurar um estado islâmico no norte da Nigéria, maioritariamente muçulmano ao contrário do sul de maioria cristã, e já causou este ano mais de 3.000 mortos, segundo dados do governo nigeriano.

Pelo menos 120 pessoas morreram e 270 ficaram feridas num atentado suicida na sexta-feira contra uma mesquita em Kano, no norte da Nigéria, também atribuído aos fundamentalistas, e, na segunda-feira, 10 pessoas morreram quando duas mulheres detonaram explosivos num mercado em Maiduguri (norte).

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG