Bode julgado por comer flores em jardim de Sydney

O animal foi apanhado por um polícia a comer vegetação junto ao Museu de Arte Contemporânea desta cidade australiana e acabou em tribunal.

Gary é um bode e desde dezembro de 2011 que acompanha o dono, um comediante conhecido como Jimbo Bazoobi, em espetáculos por toda a Austrália. Neste verão, em Sydney, Gary foi apanhado pelas autoridades a comer flores num jardim e, por isso, o dono foi multado em 440 dólares australianos (cerca de 348 euros).

Depois do incidente, o caso seguiu para a justiça. Nesta quarta-feira, uma juíza do tribunal local de Downing Centre acabou por ilibar o bode. Apesar de ter reconhecido que, de facto, o animal comeu as flores, a magistrada, Carolyn Barkel, considerou não haver provas de que Gary tenha tido a intenção de vandalizar vegetação. "Ele devia preferir um gelado", disse a juíza em tom de brincadeira.

Por sua vez, a defesa do humorista Jimbo Bazoobi, defendeu que não era possível provar que o seu cliente tenha incitado o bode a comer as flores. "Não há maneira de adivinhar o que poderá ter sido sussurrado ao ouvido do bode Gary".

O dono do animal ainda pediu para ser reembolsado pelos custos do processo, mas o tribunal recusou-se a aceitar o pedido. No entanto, cancelou a multa que havia sido aplicada a 22 de Agosto.

O insólito caso foi noticiado em jornais de todo o mundo e a página do animal no Facebook (Gary The Goat) já tem mais de dez mil fãs.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.