Blair pode ser chamado a explicar tortura da CIA

Comissão do Parlamento britânico vai investigar. Ex-vice-presidente dos EUA Dick Cheney defende procedimentos da CIA

Malcolm Rifkind, deputado conservador britânico e ex-ministro dos Negócios Estrangeiros, anunciou ontem que uma comissão do Parlamento do Reino Unido vai pedir aos EUA documentos sobre a possível participação de Londres no chamado programa de interrogatórios intensivos da CIA. E admitiu mesmo convocar o ex-primeiro-ministro Tony Blair e o ex-chefe da diplomacia Jack Straw para participarem da investigação. "Certamente chamaremos qualquer ministro, antigo ou atual, para contribuir para o inquérito, para fornecer provas. Se recusarem, isso significa que escondem algo. Teremos de esperar para ver", disse, no programa de Andrew Marr na BBC.

Leia mais na edição impressa ou no epaper do DN.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.