Berlusconi defende pacto com primeiro-ministro Matteo Renzi

O antigo chefe do Governo e líder do Força Itália, Silvio Berlusconi, defendeu hoje uma aliança com o Partido Democrático do primeiro-ministro Matteo Renzi.

O centro-direita e o centro-esquerda em Itália devem convergir para uma posição comum de forma a apresentarem-se unidos nas próximas eleições legislativas, defendeu Silvio Berlusconi esta tarde, falando em Milão durante a apresentação de um livro de uma conhecida deputado do Força Itália, Michaele Biancofiore.

Para Berlusconi, "é difícil hoje em Itália o centro-direita confrontar-se com o centro-esquerda. É verdade que cada um tem seguido o seu caminho próprio, mas para o bem do país, estes caminhos devem agora convergir". Assim, "por razões superiores", os dois polos políticos devem "apresentar-se em conjunto nas próximas eleições". Nas anteriores legislativas, em 2013, o Partido Democrático ficou em primeiro lugar com dez milhões de votos e o antecessor do Força Itália, o Povo das Liberdades, em segundo, com pouco menos de dez milhões.

O objetivo estabelecido agora pelo antigo primeiro-ministro "é uma necessidade e um desejo" e integra-se naquilo que Berlusconi considera importante, que seria um acordo também entre "todos os partidos de centro-direita" e a escolha de "um líder máximo", escolhido "pelas pessoas e não pelo líder", neste caso, ele próprio.

Berlusconi recordou ainda que o acordo que assinou com Renzi para "tornar o país governável" é para um "percurso longo, esperando que possamos chegar juntos ao fim. As próximas eleições estão previstas para 2018.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.