Violadores indianos foram presentes a tribunal

Os cinco indivíduos responsáveis pela violação e agressão da estudante de 23 anos no passado dia 16 de dezembro em Nova Deli, quando regressava do cinema com um amigo, estiveram hoje pela primeira vez em tribunal. Um sexto membro do grupo, de 17 anos, está detido num estabelecimento prisional para menores e terá um processo distinto.

Os cinco indivíduos foram formalmente acusados de rapto, violação e homicídio da estudante, tendo-se dois deles oferecido para colaborar com a justiça, em troca de uma pena mais clemente.

A próxima sessão terá lugar quinta-feira num outro tribunal, com competências para realizar julgamentos de forma mais célere.

A juíza responsável pelo processo de violação coletiva de uma estudante de Nova Deli decidiu que a audiência dos cinco acusados adultos iria decorrer à porta fechada, devido à agitação em torno do tribunal.

"A sala de audiências está lotada. É impossível para este tribunal conduzir processos nesta situação", anunciou a juíza Namrita Aggarwal, perante um protesto ruidoso de vários advogados concentrados à porta do complexo judicial de Saket.

Os advogados protestavam contra os colegas que se voluntariaram para defender os cinco acusados, com idades entre 19 e 35 anos, que enfrentam a pena de morte por sequestro, violação e homicídio de uma estudante de 23 anos.

A sala de audiências, que tem capacidade para trinta lugares, foi invadida por cerca de 150 pessoas, incluindo dezenas de advogados sem qualquer ligação ao processo e jornalistas estrangeiros.

Ao final da manhã, várias carrinhas dos serviços prisionais escoltadas por carros da polícia foram vistas a entrar no complexo judicial, no que se julga ser a chegada dos cinco suspeitos ao tribunal.

Os cinco homens foram acusados no sábado de violar e torturar em dezembro, num autocarro, uma estudante indiana de 23 anos, que poucos dias depois morreu na sequência dos ferimentos.

O sexto presumível implicado na violação tem 17 anos, pelo que se encontra recolhido num centro de internamento para menores.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG