Violação coletiva de jovem revolta Nova Deli

A violação de uma estudante dentro de um autocarro escolar em Nova Deli, no domingo, levou os habitantes locais, chocados, a sair hoje às ruas para respeito pelas mulheres. Sonia Gandhi, presidente do Partido do Congresso, pediu ao governo para reagir.

Centenas de manifestantes, movidos pela raiva, juntaram-se hoje frente à residência da chefe do Governo de Nova Deli para protestar contra a violação de uma jovem de 23 anos, quando voltava de uma ida ao cinema no domingo à noite.

"Queremos igualdade de direitos para as mulheres", lia-se nos cartazes que os manifestantes transportavam. Na Índia, uma sociedade dominada pelo sexo masculino, onde as agressões são constantes, são cada vez mais os que se manifestam contra o governo, exigindo que o mesmo ponha fim à ideia de que são as próprias mulheres as culpadas pelas violações.

Uma jovem manifestante, estudante na Universidade de Nova Deli, apelou a uma mudança urgente nas atitudes das autoridades: "Eles dizem às mulheres que se saírem à noite vão ser violadas. Nós queremos igualdade de direitos, queremos poder sair em Deli até à meia-noite se nos apetecer", afirmou.

Sonia Ganhi, líder do Partido do Congresso, disse que a violação era uma questão vergonhosa para a capital e que "merece a atenção urgente do governo".

O ministro do Interior, Sushilkumar Shinde, anunciou no Parlamento que os autocarros com vidros escuros e cortinas cerradas não serão mais autorizados a circular, medida a entrar em vigor imediatamente. Citado pelo canal de notícias 'NDTV', o primeiro-ministro, Manmohan Singh, condenou firmemente este "crime hediondo" que considerou "muito perturbador".

No domingo à noite, a jovem estudante de fisioterapia e o seu amigo entraram num autocarro escolar, quase vazio, que nem sequer estava em serviço, depois de o motorista se ter oferecido para os transportar pelo preço de um bilhete normal. Segundo a polícia, a jovem foi violada por seis homens que estavam no interior da viatura e, posteriormente, atirada para fora da mesma. O amigo que a acompanhava foi espancado com barras de metal. A jovem está internada em estado considerado grave, e o seu amigo, engenheiro informático, de 28 anos, foi hospitalizado com ferimentos múltiplos.

Os presumíveis autores do crimes foram já identificados e presos ontem.Na Índia os violadores são punidos com pena de prisão até dez anos mas o chefe da polícia local pediu hoje para que passe a ser aceite a pena de morte nestes casos. A ocorrência provocou a indignação mediática e um debate no Parlamento. O número de violações na Índia aumentou em quase 50% entre 1990 e 2008, de acordo com os dados oficiais.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG