Suspeito do caso do colar-bomba falso foi detido

Um cidadão australiano de 50 anos, suspeito de ter colocado um colar-bomba falso no pescoço de uma jovem residente em Sidney, foi detido na segunda-feira na cidade norte-americana de Louisville, informou hoje a polícia da Austrália.

A 03 de Agosto, Madeleine Pulver, de 18 anos, passou 10 horas na sua casa no bairro de Mosman, na zona norte de Sidney, com o artefacto colocado no pescoço, enquanto especialistas em explosivos da polícia federal australiana e militares britânicos procuraram retirá-lo, julgando que se tratava de uma bomba, o que não se veio a verificar.

O suspeito viajou alguns dias depois para os Estados Unidos, onde foi detido na segunda-feira, cerca das 20:30 de Lisboa, pelo FBI e agentes especiais do estado australiano de Nova Gales do Sul.

David Hudson, responsável da polícia australiana, explicou que o suspeito reside em Sidney e costuma realizar viagens de negócio aos Estados Unidos, onde residem alguns membros da sua família.

Em declarações à rádio ABC, Hudson salientou que o homem, cuja identidade não foi revelada, é suspeito de "ter entrado na casa dos Pulver e de ter colocado o colar no pescoço da jovem".

O suspeito tem ligações com a família Pulver, mas não de forma "directa", disse o responsável sem especificar, acrescentando que aquele vai comparecer hoje perante um tribunal americano e as autoridades australianas vão pedir a sua extradição.

As autoridades investigam se este caso se trata de uma tentativa de extorsão dado que o pai de Madeleine, Bill Pulver, é um empresário bem sucedido da área da informática.

Na cena do crime foi deixada uma nota com instruções e assinada pela personagem fictícia Dick Struan do romance Tai-Pan, de James Clavell.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG