Situação em Xinjiang melhorou mas ainda há instabilidade

Um destacado líder chinês disse hoje que a situação no Xinjiang, palco dos mais violentos tumultos étnicos registados na China nas ultimas décadas, melhorou mas reconheceu a persistência de "vários factores de instabilidade".

"As pessoas sentem-se mais seguras e a situação está a mudar para melhor", disse Zhou Yongkang, membro do Comité Permanente do Politburo do Partido Comunista Chinês, a cúpula do poder na China.

Segundo o último balanço oficial, divulgado no fim-de-semana, os tumultos de 05 de Julho no Xinjiang causaram 184 mortos, 137 dos quais han, a principal etnia da China, e 46 uigures, a maior etnia daquela região.

O número poderá aumentar, dado que 74 dos 939 feridos ainda hospitalizados "estão em estado crítico", noticiou hoje a imprensa oficial chinesa.

Zhou Yongkang foi o mais alto líder do Estado chinês enviado de Pequim para Xinjiang após os tumultos de 05 de Julho, que obrigaram o Presidente Hu Jintao a cancelar a participação na cimeira do G8+5, em Itália, e a adiar a visita a Portugal.

A "estabilidade em Xinjiang" foi considerada pela liderança chinesa "a tarefa mais importante e urgente".

"Actualmente, vários factores de instabilidade ainda existem e a tarefa de manter a estabilidade é árdua", disse Zhou Yongkang.

Os uigures -- etnia de cultura turcófona e religião muçulmana -- constituem cerca de 45 por cento dos 21,5 milhões de habitantes de Xinjiang e os han 40 por cento.

Há 60 anos, os uigures representavam cerca de 90 por cento da população de Xinjiang e na década de 1930, quando a China estava mergulhada na guerra civil entre nacionalistas e comunistas, chegou a existir no território uma República do Turquistao Oriental.

Trata-se de um território quase 18 vezes maior que Portugal - rico em petróleo, gás natural, cobre, ouro e outros recursos minerais - e que faz fronteira com sete países, entre os quais o Afeganistão, Paquistão e três ex-repúblicas soviéticas da Ásia Central (Quirguistão, Tadjiquistão e Casaquistão).

AC.

Lusa

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG