Milhares de pessoas no último adeus ao antigo rei Sihanouk

Dezenas de milhares de cambojanos saíram hoje para as ruas de Phnom Penh para o último adeus ao antigo rei e pai da independência, Norodom Sihanouk, cujos restos mortais vão ser hoje cremados perto do Palácio Real.

Vestidos de branco e preto, os participantes, alguns dos quais com fotografias do antigo rei queimaram incenso e colocaram velas e coroas de flores no local da cremação de Sihanouk, que morreu a 15 de outubro na sequência de um ataque cardíaco num hospital em Pequim.

As cinzas vão ser lançadas numa zona de confluência de três rios na capital, mas parte será conservada numa urna no Palácio.

Os rituais fúnebres no Camboja são budistas, ainda que com elementos de origem hindu.

Na sexta-feira, uma multidão acompanhou o cortejo fúnebre, no qual participaram monges budistas e em que esteve presente o primeiro-ministro, Hun Sem, bem como a viúva do monarca, Monique, e o atual rei, Norodom Sihamoni.

Sihanouk, que morreu quando estava prestes a completar 90 anos, foi uma figura chave durante um dos períodos mais conturbados da história do Camboja.

Foi coroado pela primeira vez em 1941, quando ainda não tinha perfeito 19 anos, e do trono conduziu o Camboja até à independência da França, em 1953.

Dois anos mais tarde, abdicou para se dedicar à política e chegou a primeiro-ministro e a chefe de Estado, ainda que com o título de príncipe e não de rei.

Em 1970, foi deposto na sequência de um golpe de Estado apoiado pelos Estados Unidos e Sihanouk aliou-se com os khemers vermelhos, mas foi colocado sob prisão domiciliária quando os revolucionários de Pol Pot chegaram ao poder em 1975.

Depois da invasão vietnamita e expulsão dos khemers vermelhos quatro anos mais tarde, Sihanouk viveu exilado na Coreia do Norte e na China até ser proclamado novamente rei em 1993.

Em 2004, abdicou a favor do seu filho, Norodom Sihamoni, e fixou residência oficial na cidade de Siem Reap, no noroeste do país, mas viajava com regularidade para Pequim para receber assistência médica.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG