Sismo: Pelo menos 45 mortos e buscas continuam

Socorristas lutavam esta segunda-feira contra chuvas torrenciais e deslizamentos de terra para tentar encontrar sobreviventes do sismo de domingo no nordeste da Índia e em países vizinhos da cadeia dos Himalaias, do qual resultaram 45 mortos - um número bem mais elevado que os 16 inicialmente anunciados.

O epicentro do sismo de magnitude 6,9, registado domingo pelas 18.10 locais (13.40 em Lisboa), foi localizado numa região recuada na fronteira entre o Estado indiano de Sikkim e o Nepal.

Segundo os socorristas, o número de mortos - 32 na Índia, sete no Tibete e seis no Nepal - poderá ainda agravar-se.

O sismo foi sentido a uma distância de mais de 1.000 quilómetros a oeste, até à capital indiana de Nova Deli, e a leste, até ao Bangladesh.

Pelo menos 60 pessoas ficaram feridas devido a deslizamentos de terra, quedas de estilhaços e afundamento de prédios em Gangtok, onde milhares de habitantes passaram a noite na rua devido a duas longas réplicas que lançaram o pânico entre a população.

O sismo foi sentido na totalidade da região dos Himalaias, até ao pequeno reino do Butão, segundo o instituto de geofísica norte-americano (USGS).

Sete Estados do nordeste da Índia, ligados ao resto do país por uma estreita banda de terra denominada "pescoço de galinha" estão localizados numa zona sujeita a uma frequente actividade sísmica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Benefícios fiscais para quê e para quem

São mais de 500 os benefícios fiscais existentes em Portugal. Esta é uma das conclusões do relatório do Grupo de Trabalho para o Estudo dos Benefícios Fiscais (GTEBF), tornado público na semana passada. O número impressiona por uma razão óbvia: um benefício fiscal é uma excepção às regras gerais sobre o pagamento de impostos. Meio milhar de casos soa mais a regra do que a excepção. Mas este é apenas um dos alertas que emergem do documento.

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la no ensino superior

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.