Seis estudantes chineses atacados em França

Seis estudantes chineses de enologia foram atacados na madrugada de sábado na região produtora de vinhos de Bordéus, indicou o Ministério do Interior francês, ao descrever o ataque como um ato de xenofobia.

Os estudantes, que chegaram a França há dois meses, foram "violentamente atacados" por três homens locais, que estavam visivelmente bêbados e já eram conhecidos da polícia, indica um comunicado do Ministério do Interior, citado pela AFP.

Dois dos presumíveis atacantes foram detidos e mantidos sob custódia, segundo a agência de notícias francesa.

Uma estudante foi ferida com gravidade no rosto por uma garrafa de vidro.

Os estudantes foram atacados na local onde residiam, em Hostens, uma pequena localidade com 1.300 habitantes, localizada a cerca de 50 quilómetros a sul de Bordéus, no sudoeste de França.

O ministro do Interior, Manuel Valls, condenou "severamente este ato xenófobo, pelo qual os culpados devem responder perante a justiça".

Manuel Valls disse, em comunicado, que os três atacantes seriam punidos por lei e que o governo francês iria prestar apoio total às famílias das vítimas.

Com idades entre 22 e 30 anos, os alunos chineses foram para França para estudar por um ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".