Penas de prisão a manifestantes antipoluição ambiental

Um tribunal chinês condenou na quarta-feira três pessoas a penas de prisão efetiva e 13 a penas suspensas pela participação num protesto contra um projeto fabril que alegadamente contribuiria para a poluição ambiental, noticiou a agência Xinhua.

As sentenças foram proferidas por um tribunal de Qidong, na província de Jiangsu (leste da China), que aplicou penas de prisão entre um ano e um ano e meio a três pessoas que tinham participado num protesto em julho de 2012, a par de milhares de outras, contra o plano de uma fábrica japonesa de construir um gasoduto para águas residuais, informou a agência oficial chinesa sem especificar os crimes.

Penas semelhantes foram aplicadas a outras 13 pessoas, mas o tribunal chinês suspendeu as mesmas por os condenados terem confessado os crimes e demonstrado arrependimento, de acordo com a Xinhua.

Segundo a imprensa oficial chinesa, durante o protesto que deu origem a estas condenações ocorreram alguns incidentes, com os manifestantes a forçarem a entrada em edifícios públicos, tendo causado danos materiais e ferido agentes da polícia.

Um dos indivíduos com pena suspensa terá obrigado o presidente do município de Qidong a vestir uma t-shirt com slogans antipoluição, partido um relógio num edifício público e tirado objetos do local que deu depois a outros.

De acordo com a Xinhua, apenas um dos indivíduos condenados pretende recorrer da decisão judicial.

O protesto em Qidong terminou com o proprietário da fábrica japonesa de papel a anunciar o cancelamento do plano de construir o gasoduto, através do qual águas residuais seriam despejadas para o mar.

A China tem sido palco nos últimos anos de várias manifestações contra a poluição ambiental e projetos industriais considerados como uma ameaça à saúde pública.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?