Pelo menos seis mortos no ataque talibã em Cabul

Seis pessoas, quatro polícias e dois civis, foram mortas e outras 15 ficaram feridas nos ataques coordenados dos talibãs ocorridos hoje em Cabul

O ministério do Interior tinha já anunciado a morte de pelo menos dois insurgentes durante os confrontos.

Os combates prosseguiam no final da tarde entre as forças de segurança e os assaltantes que se entrincheiraram num edifício no centro da capital afegã, informou um alto responsável do ministério.

Comandos suicidas talibãs munidos de armas ligeiras e lança-granadas penetraram hoje no centro de Cabul, uma zona de elevada segurança onde se localizam o quartel-general da força internacional da NATO no Afeganistão (ISAF) e a embaixada dos EUA.

Numa primeira reacção à incursão armada no "coração" de Cabul, o Presidente afegão Hamid Karzai considerou que esta acção não vai impedir a "transição", numa referência ao processo pelo qual a NATO vai transferir, até finais de 2014, a responsabilidade da segurança para as forças afegãs.

"O inimigo faz os possíveis para travar este processo de transição", considerou em comunicado o chefe de Estado. Karzai condenou ainda os ataques "desencadeados em três locais distintos de Cabul" e sublinhou a disposição do povo afegão em "assumir a responsabilidade dos destinos" do país.

Em Washington, a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, assegurou por seu turno que os EUA "não se deixarão intimidar" pelo "cobarde" ataque que ocorreu muito perto da representação diplomática norte-americana.

"Os funcionários da embaixada (...) não serão intimidados por este género de ataque cobarde", declarou Clinton. "Estaremos vigilantes, mas vamos prosseguir o nosso trabalho com um envolvimento ainda maior", assegurou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

violência

Como foi possível uma tragédia destas no Sri Lanka?

Destino turístico de eleição para muitos europeus nos últimos tempos, o Sri Lanka tem um longo historial de violência e de episódios de sectarismo religioso. Mesmo assim atentado de domingo surpreendeu tudo e todos. Governo desta ilha do Índico, que está demitido pelo presidente desde outubro de 2018, acusou o grupo National Thowheed Jamath, diz que terá havido apoio externo e que alertas foram ignorados