Dezenas de milhares voltam às ruas de Hong Kong

Após um fim de semana marcado pelos confrontos entre manifestantes pró-democracia e as forças de segurança, dezenas de milhares de pessoas voltaram hoje, segunda-feira, às ruas do centro de Hong Kong, num ambiente marcado pela tensão mas também pela confraternização e respeito pelas regras.

Melhor exemplo deste último caso é relatado esta tarde pelo site do South China Morning Post: estão milhares de pessoas junto ao Monumento à Guerra mas ninguém pisa ou se senta na relva que existe em seu redor, tendo a placa que existe habitualmente no local sido substituída por um cartão manuscrito onde se pede para que não se pise a relva.

Os manifestantes são maioritariamente jovens, mas não só. Há gente um pouco de todas as idades, tendo-se mesmo organizado, durante o serão (em Hong Kong são mais sete horas do que em Lisboa), vários churrascos mais ou menos improvisados, para matar a fome a quem se recusa a arredar pé.

Os protestos que se iniciaram no fim de semana levaram mesmo a que várias escolas e bancos não abrissem portas esta segunda-feira.

Segundo a BBC, o ambiente hoje mantém-se tenso, mas menos do que em dias anteriores, até porque a presença policial foi reduzida.

No domingo à noite, a polícia de intervenção dispersou manifestações utilizando gás lacrimogéneo e pimenta sobre a multidão.

As manifestações iniciaram-se em protesto pelas alterações ao sistema político de Hong Kong imposto por Pequim, que visa permitir a realização de eleições diretas apenas com candidatos que sejam previamente aprovados pela China.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.