Dezenas de milhares voltam às ruas de Hong Kong

Após um fim de semana marcado pelos confrontos entre manifestantes pró-democracia e as forças de segurança, dezenas de milhares de pessoas voltaram hoje, segunda-feira, às ruas do centro de Hong Kong, num ambiente marcado pela tensão mas também pela confraternização e respeito pelas regras.

Melhor exemplo deste último caso é relatado esta tarde pelo site do South China Morning Post: estão milhares de pessoas junto ao Monumento à Guerra mas ninguém pisa ou se senta na relva que existe em seu redor, tendo a placa que existe habitualmente no local sido substituída por um cartão manuscrito onde se pede para que não se pise a relva.

Os manifestantes são maioritariamente jovens, mas não só. Há gente um pouco de todas as idades, tendo-se mesmo organizado, durante o serão (em Hong Kong são mais sete horas do que em Lisboa), vários churrascos mais ou menos improvisados, para matar a fome a quem se recusa a arredar pé.

Os protestos que se iniciaram no fim de semana levaram mesmo a que várias escolas e bancos não abrissem portas esta segunda-feira.

Segundo a BBC, o ambiente hoje mantém-se tenso, mas menos do que em dias anteriores, até porque a presença policial foi reduzida.

No domingo à noite, a polícia de intervenção dispersou manifestações utilizando gás lacrimogéneo e pimenta sobre a multidão.

As manifestações iniciaram-se em protesto pelas alterações ao sistema político de Hong Kong imposto por Pequim, que visa permitir a realização de eleições diretas apenas com candidatos que sejam previamente aprovados pela China.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.