Combates fazem cerca de 90 mortos em dois dias na Síria

Cerca de 90 soldados do regime de Damasco e elementos da rebelião perderam a vida nos últimos dois dias em combates na província de Deraa, no Sul da Síria, segundo revelou hoje o Observatório Sírio dos Direitos do Homem (OSDH).

"Os combates tiraram a vida a 43 soldados e 45 rebeldes da Frente Al-Nosra", lê-se no comunicado do OSDH, divulgado em Beirute. Os combates, que se iniciaram quinta-feira em torno de uma colina considerada estratégica e na posse da Al-Nosra, grupo com ligações à Al-Qaeda, prosseguiam hoje, refere o comunicado.

Os combates, iniciados por uma ofensiva das forças governamentais, estavam agora a estender-se a outro ponto estratégico, e também uma colina, a cinco quilómetros do primeiro local. O comunicado do Observatório sublinha que os confrontos estão a revestir-se de grande violência, estando as unidades fiéis a Damasco a serem apoiadas por helicópteros e artilharia pesada.

A violência dos combates resulta da importância das posições em causa, que permitiria o controlo das vias de comunicação entre a província de Deraa, berço da revolta iniciada em março de 2011, e a de Quneitra, que a rebelião controla parcialmente.

A guerra civil dura há mais de três anos no país e, apesar de alguns recentes sucessos das forças fiéis a Bachar al-Assad - que se prepara para organizar eleições presidenciais em que é, naturalmente, candidato - nenhum lado parece estar em condições de impor a derrota do outro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.