Festival de música neonazi cria mal estar na Austrália

A organização de um festival de música neonazi em Brisbane, na Austrália, previsto para o mês de abril, está a causar uma forte polémica no país. As autoridades afirmam que não o podem proibir.

O festival de música neonazi "Hammered", organizado pelos grupos Southern Cross Hammerskins e Blood and Honour Austrália, já é realizado em Queensland há dois anos, mantendo um perfil discreto, que lhe tem permitido fugir às polémicas. No entanto, segundo o jornal espanhol "El Mundo", o facto de a organização ter decidido realizar a edição deste ano em Brisbane, capital do estado de Queensland, foi a faísca suficiente para incendiar as opiniões e relançar o debate sobre o racismo e a xenofobia na Austrália.

O mês de abril é uma referência habitual dos movimentos neonazis de todo o mundo, que costumam assinalar com vários eventos o aniversário de Adolf Hitler (20 de abril de 1889).

Na Austrália, os neonazis não estão proíbidos de se manifestarem. "A nossa função não é impedir que as pessoas expressem ideias imbecis, estúpidas ou erradas. Se querem fazer figura de parvas e revelar o que pensam é problema delas", declarou á comunicação social australiana Paul Lucas, procurador-geral de Queensland. "Mas se incitarem à violência ou violarem as leis anti-discriminação, então, serão investigadas e punidas", adiantou.

Por sua vez, o legislador independente, Rob Messenger, do parlamento de Queensland, fez eco do descontentamento do seu eleitorado, que pede "leis" mais severas que permitam proibir o incentivo ao ódio racial ou atividades neonazis no país.

Nesse sentido, Messenger está a preparar um projeto de lei que contempla penas de prisão e multas que poderão ir até aos 300.mil dólares para quem organize eventos neonazis na Austrália.

Exclusivos