Autarca diz que prostitutas eram necessidade do Japão

O presidente da Câmara de Osaka, Toru Hashimoto, descreveu como "necessário" o sistema em que mulheres asiáticas que eram obrigadas a prostituir-se em bordéis das tropas japonesas durante a II Guerra Mundial.

"Quando os soldados arriscam a vida no campo de batalha e queres oferecer-lhes descanso, está claro que é necessário um sistema de conforto, qualquer um o compreenderia", declarou ontem o autarca em frente às câmaras das televisões nipónicas.

Hashimoto, que foi o governador mais jovem da história do Japão antes de chegar à autarquia de Osaka, admitiu que as mulheres eram obrigadas a prostituir-se contra a sua vontade nesses bordéis, mas atribuiu isso "à tragédia da guerra".

Argumentando que não existem provas de apoio oficial a este sistema de prostituição, o autarca, citado pelas agências internacionais, reafirmou: "Deve dizer-se com toda a franqueza que era necessário um sistema de mulhres de conforto".

O secretário-geral do Governo japonês, Yoshihide Suga, negou-se hoje a comentar as polémicas declarações do autarca de Osaka. Mas o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Coreia do Sul não deixou de as condenar: "Estamos profundamente dececionados com o facto de um responsável por um cargo público japonês defende crimes desumanos".

Também um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Hong Lei, condenou as declarações de Toru Hashimoto. "Estamos indignados que um político japonês faça estes comentários, desafiando a justiça humana e histórica", disse, num briefing aos media.

Os historiadores estimam que 200 mil mulheres asiáticas, sobretudo oriundas da Península da Coreia ou da China, tenham servido de prostitutas às tropas japonesas.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG