Aplicação do acordo de Minsk "não será fácil", diz Poroshenko

O Presidente ucraniano, Petro Poroshenko, considerou hoje que a aplicação do acordo de Minsk para um cessar-fogo no seu país "não será fácil".

"A negociação foi muito difícil, e nós não esperamos uma aplicação fácil do processo", declarou Poroshenko à imprensa, depois de ter apresentado os resultados da reunião perante os chefes de Estado e de Governo da União Europeia, em Bruxelas.

"Imediatamente após a assinatura do acordo, os terroristas apoiados pela Rússia lançaram uma ofensiva", acusou.

Segundo um porta-voz militar, cerca de 50 tanques e outro equipamento pesado penetrou em território ucraniano a partir da Rússia, na madrugada de hoje.

"É por isso que é vital para todos nós manter a pressão para cumprir as promessas sobre o cessar-fogo, a retirada do armamento pesado, a libertação de todos os reféns, a retirada das tropas e dos mercenários estrangeiros e o encerramento das fronteiras", acrescentou o chefe de Estado ucraniano.

O presidente do Conselho Europeu, o polaco Donald Tusk, afirmou que é necessário "passar das palavras aos atos", recordando que o anterior acordo de Minsk, assinado em setembro, "não foi respeitado".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG