Agente que matou Brown diz que faria o mesmo a um jovem branco

Na primeira vez que fala em público, Darren Wilson revelou temer pela sua vida. Pais da vítima consideram declarações "um insulto".

"Tive de disparar. Se não o fizesse, ele ter-me-ia matado", garantiu ontem o agente Darren Wilson na primeira entrevista dada desde os acontecimentos de 9 de agosto, quando alvejou mortalmente Michael Brown, de 18 anos, e pouco mais de 24 horas depois de ser conhecida a decisão de um painel de jurados de não ser julgado pela morte do jovem negro.

"O meu trabalho não é ficar sentado a ver as coisas sucederem", disse Wilson na entrevista concedida à televisão ABC News e transmitida na manhã de ontem. O polícia da cidade de Ferguson, onde sucedeu o incidente e onde se vive desde o anúncio da decisão dos jurados um clima de violentos protestos, manteve a versão dos acontecimentos dada nas audições, afirmando que, a determinado ponto na perseguição ao adolescente negro, este parou, virou-se para trás e avançou sobre ele para o agredir.

Leia mais pormenores no epaper do DN

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG