Kirr e Machar reúnem-se para pôr fim à guerra civil

O Presidente do Sudão do Sul, Salva Kirr, e o chefe dos rebeldes e seu antigo vice-presidente, Riek Machar, deverão encontrar-se amanhã em Addis Abeba, na Etiópia, para tentar novamente pôr fim à guerra civil de cerca de seis meses, segundo uma fonte próxima das negociações

Os dois rivais deverão encontrar-se terça-feira "à tarde", sob o cuidado da Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento (IGAD), organização africana que assegura a mediação, indicou hoje fonte próxima das negociações à AFP.

Um frente-a-frente entre os dois inimigos "será muito bom" para pôr fim a um conflito que começou em meados de dezembro e fez já milhares de mortos, segundo a mesma fonte.

Este encontro será o primeiro depois de 9 de maio, data em que as duas partes assinaram um cessar-fogo, o segundo depois de janeiro, embora nenhum dos dois tenha sido respeitado.

Salva Kirr e Riek Machar, cuja rivalidade no seio do regime abriu divergências étnicas no exército e levou ao início do conflito a 15 dezembro, proclamam a sua determinação em conseguir a paz, mas os combates continuam no terreno.

O governo do Sudão do Sul está "otimista", e acredita que "este ciclo de negociações lançará sementes de paz", declarou o ministro sul-sudanês da Informação, Michael Makuei, num comunicado.

A organização Human Rights Watch (HRW) exortou os mediadores a não incluírem no acordo de paz a amnistia de crimes graves e a punirem os culpados pelos crimes de guerra. "Os mediadores devem romper com o passado, assegurando que a amnistia para os crimes graves não está em causa", declarou o diretor africano da HRW, Daniel Beleke, num comunicado.

As Nações Unidas (ONU) acusaram os dois lados rivais de possíveis crimes de guerra e apelaram aos dois lados que respeitassem os acordos de paz.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG