Sete pessoas queimadas vivas por feitiçaria na Tanzânia

Numa aldeia da Tanzânia, mais de vinte casas foram incendiadas e sete pessoas linchadas, por ordem de um curandeiro que chegara recentemente à aldeia e acusara as vítimas de feitiçaria.

O chefe da polícia regional na zona ocidental da Tanzânia, Jafari Mohamed, disse à AFP na manhã de sexta-feira que 23 pessoas foram presas na sequência da violência, contando-se entre elas chefes de tribo e o curandeiro que os locais identificaram como responsável.

O linchamento terá tido lugar na segunda-feira à noite, na aldeia de Murufiti. Cinco das vítimas teriam mais de sessenta anos, enquanto que as outras duas estariam na casa dos quarenta e dos cinquenta.

Um relatório de 2012 da ONG tanzaniana Centro Jurídico e dos Direitos do Homem (LHRC) estimou que 3000 pessoas tenham sido mortas entre 2005 e 2011 no país. Afirmam que as acusações de feitiçaria são mais frequentemente feitas contra mulheres de idade, e que em média 500 pessoas são linchadas cada ano.

A LHRC destaca que as vítimas são normalmente mulheres de idade avançada com olhos avermelhados, que na crença local são associados à feitiçaria. No entanto, essa irritação dos olhos pode ser causada pelo excremento bovino que as mulheres são muitas vezes obrigadas a usar como combustível para cozinhar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.