Rebeldes querem negociar refém luso-descendente

O Movimento para a Unidade e Jihad na África Ocidental (Mujao) anunciou hoje disponibilidade para negociar a libertação do refém francês de origem portuguesa sequestrado no Mali há dois meses.

"O Mujao está pronto para negociar a libertação do refém Gilberto", disse hoje Walid Abu Sarhaoui, porta-voz do movimento, numa referência ao cidadão francês de origem portuguesa Gilberto Rodriguez Leal, sequestrado no oeste do Mali em novembro de 2012.

A declaração surge quando passam mais de duas semanas sobre a intervenção militar francesa contra a aliança de rebeldes islamitas que ocupa o norte do Mali.

Gilberto Rodriguez Leal, um francês de origem portuguesa, de 61 anos, foi raptado a 20 de novembro, na região de Kayes, oeste do Mali.

O francês, cuja profissão se desconhece, tinha chegado ao Mali poucas horas antes, proveniente da Mauritânia, quando foi retirado de dentro do carro de matrícula francesa no qual seguia.

O rapto foi reivindicado pelo Movimento para a Unidade e Jihad [guerra santa] na África Ocidental (Mujao), que juntamente com o Aqmi (Al-Qaida do Magrebe Islâmico) e o Ansar Dine [Defensores do Islão] ocupam o norte do Mali.

Quase uma semana depois do rapto, um "site" de informação da Mauritânia divulgou um vídeo com imagens do refém.

No vídeo, difundido no "site" Alakhbar, o refém aparecia ladeado por dois homens armados, tendo em fundo um pano negro com inscrições em árabe.

O homem, que afirmou chamar-se Gilberto Rodriguez Leal, pedia ao governo francês que interviesse para a sua rápida libertação.

"Vinte e cinco de novembro de 2012. Chamo-me Gilberto Rodriguez Leal. Fui sequestrado em Diema, entre Nioro e Bamako, pelo Mujao. Peço ao governo francês que responda rapidamente as suas reivindicações. Não sou visado neste rapto, são as ações externas do governo que estão em causa. Confio que o meu governo saberá resolver rapidamente a minha situação e encontrar uma saída favorável", afirma o refém no vídeo.

"À minha família, peço que não se preocupem pois estou a ser bem tratado. Beijos, amo-vos", acrescentava.

No total, há sete franceses na região do Sahel, seis nas mãos Al-Qaida do Magrebe Islâmico (Aqmi).

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.