Portugueses estão seguros e só piloto quer sair

Os cerca de 30 portugueses na República Centro-Africana estão seguros e apenas o antigo piloto do Presidente François Bozizé quer sair do país, disse hoje à Lusa o secretário de Estado das Comunidades.

"Ontem [segunda-feira] à noite consegui falar com o cônsul honorário -- José Pereira de Sousa - e ele transmitiu-me que não tem nota de haver problemas graves entre portugueses, além dos assaltos que se verificaram", disse à Lusa José Cesário.

Segundo o secretário de Estado, o piloto do Presidente deposto -- que é português - está seguro.

"O piloto do Presidente, embora tenha perdido tudo [num assalto dos rebeldes locais], está num local mais ou menos seguro. Esta noite [de segunda-feira] devem tê-lo mudado para outro local, pelo menos era essa a expectativa, [porque] ele tinha falado com a embaixada de França", acrescentou.

José Cesário adiantou ainda que dos "cerca de 30 portugueses" presentes na República Centro-Africana, só o piloto quer sair do país.

"Havia uma lista inicial de cerca de 20 que admitiam a evacuação no caso de a situação se degradar muito. Ontem coloquei a questão [ao cônsul honorário português] e ele disse-me taxativamente que nenhum quer sair, à exceção do piloto", afirmou.

A retirada do piloto deverá ser feita, de acordo com o secretário de Estado, através de um voo comercial.

"É essa a primeira orientação. Há voos comerciais ainda e estamos convencidos que aumentarão", disse, acrescentando que está previsto um voo da Air France para a República Centro-Africana na próxima quinta-feira.

O secretário de Estado das Comunidades espera obter mais informações sobre a situação hoje de manhã, porque "às vezes a noite traz surpresas", mas acredita que "as coisas estão mais calmas", até porque pediu a José Pereira de Sousa para lhe telefonar se houvesse novidades.

"Neste momento, há comunicações" entre Portugal e República Centro-Africana, adiantou, explicando que na segunda-feira os telefones fixos não funcionaram e como "não havia energia, não se conseguia carregar os telemóveis".

A capital da República Centro-Africana, Bangui, está em sobressalto desde domingo, quando rebeldes da coligação Séléka tomaram de assalto o palácio presidencial e assumiram o poder no país, depondo o Presidente François Bozizé, que acusam de não respeitar o acordo de paz assinado no início do ano.

O chefe de Estado deposto conseguiu escapar ao ataque e, segundo já foi confirmado, está refugiado nos Camarões, enquanto a família foi acolhida na vizinha República Democrática do Congo.

O caos e as pilhagens tomaram rapidamente conta da capital do país, incluindo alguns dos portugueses, entre os quais o cônsul honorário.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.