Portugueses estão seguros e só piloto quer sair

Os cerca de 30 portugueses na República Centro-Africana estão seguros e apenas o antigo piloto do Presidente François Bozizé quer sair do país, disse hoje à Lusa o secretário de Estado das Comunidades.

"Ontem [segunda-feira] à noite consegui falar com o cônsul honorário -- José Pereira de Sousa - e ele transmitiu-me que não tem nota de haver problemas graves entre portugueses, além dos assaltos que se verificaram", disse à Lusa José Cesário.

Segundo o secretário de Estado, o piloto do Presidente deposto -- que é português - está seguro.

"O piloto do Presidente, embora tenha perdido tudo [num assalto dos rebeldes locais], está num local mais ou menos seguro. Esta noite [de segunda-feira] devem tê-lo mudado para outro local, pelo menos era essa a expectativa, [porque] ele tinha falado com a embaixada de França", acrescentou.

José Cesário adiantou ainda que dos "cerca de 30 portugueses" presentes na República Centro-Africana, só o piloto quer sair do país.

"Havia uma lista inicial de cerca de 20 que admitiam a evacuação no caso de a situação se degradar muito. Ontem coloquei a questão [ao cônsul honorário português] e ele disse-me taxativamente que nenhum quer sair, à exceção do piloto", afirmou.

A retirada do piloto deverá ser feita, de acordo com o secretário de Estado, através de um voo comercial.

"É essa a primeira orientação. Há voos comerciais ainda e estamos convencidos que aumentarão", disse, acrescentando que está previsto um voo da Air France para a República Centro-Africana na próxima quinta-feira.

O secretário de Estado das Comunidades espera obter mais informações sobre a situação hoje de manhã, porque "às vezes a noite traz surpresas", mas acredita que "as coisas estão mais calmas", até porque pediu a José Pereira de Sousa para lhe telefonar se houvesse novidades.

"Neste momento, há comunicações" entre Portugal e República Centro-Africana, adiantou, explicando que na segunda-feira os telefones fixos não funcionaram e como "não havia energia, não se conseguia carregar os telemóveis".

A capital da República Centro-Africana, Bangui, está em sobressalto desde domingo, quando rebeldes da coligação Séléka tomaram de assalto o palácio presidencial e assumiram o poder no país, depondo o Presidente François Bozizé, que acusam de não respeitar o acordo de paz assinado no início do ano.

O chefe de Estado deposto conseguiu escapar ao ataque e, segundo já foi confirmado, está refugiado nos Camarões, enquanto a família foi acolhida na vizinha República Democrática do Congo.

O caos e as pilhagens tomaram rapidamente conta da capital do país, incluindo alguns dos portugueses, entre os quais o cônsul honorário.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.