Lusodescendente entre reféns resgatados na Argélia

As forças especiais argelinas parecem ter lançado o assalto final à central de gás em In Amenas. Um lusodescendente com dupla nacionalidade, francesa e portuguesa, está entre os reféns resgatados pelo exército argelino, mas usou o passaporte francês para trabalhar na Argélia, disse à Lusa fonte do MNE.

Contactado pela Lusa, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Miguel Guedes, referiu que o lusodescendente "também tem passaporte português, mas estava a usar o passaporte francês para trabalhar na Argélia".

O porta-voz acrescentou que o Governo português está "a acompanhar a situação" através das autoridades argelinas e francesas.

Segundo a mesma fonte, o trabalhador lusodescendente vai agora ser retirado para Roma, seguindo depois para França.

Uma fonte da segurança argelina citada pela AFP garante que sete reféns estrangeiros e 11 sequestradores foram abatidos durante o assalto é central de gás em In Amenas. "O assalto foi lançado a meio da manhã", disse a mesma fonte. Ao todo, acrescentou, terão morrido 25 a 27 reféns durante o sequestro iniciado na quarta-feira pelos Signatários pelo sangue, um grupo jihadista liderado por Mokhtar Belmokhtar, um dos fundadores da Al-Qaeda no Magrebe Islâmico (AQMI).

Entre evasões e libertações, perto de 600 reféns recuperaram a liberdade, quase todos argelinos. Ao todo, terá chegadoa haver 132 reféns estrangeiros.

As forças especiais do exército argelino descobriram nas últimas horas cadáveres de 15 reféns e terroristas na central de gás em In Amenas.

Segundo o jornal Ennahar, entre os corpos, estão tanto raptores como reféns, não avançando detalhes.

Os cadáveres estarão calcinados e foram descobertos entre a noite de sexta-feira e a manhã de hoje.

Os últimos dados oficiais, conhecidos durante a noite, apontavam para a morte de 12 reféns e de 18 terroristas, no entanto, cerca de 30 reféns estrangeiros permanecem dentro do complexo de produção de gás.

Os terroristas avançam números diferentes e dizem que são sete os reféns de nacionalidade não argelina.

Um grupo de homens armados atacou na quarta-feira a central de gás - que a empresa britânica BP explora juntamente com a norueguesa Statoil e a argelina Sonatrach - em In Amenas, no sudeste da Argélia, e sequestrou um número indeterminado de reféns argelinos e estrangeiros.

A situação é confusa na central, onde o exército argelino continua a operação que começou há dois dias para tentar resgatar os reféns que continuam retidos, com números não confirmados sobre baixas entre os sequestrados argelinos e estrangeiros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.