Instalações do Ennahda atacadas, manifestações em várias cidades. Policia já teve de recorrer a gás lacrimogéneo

Mais de mil manifestantes já estão em frente ao Ministério do Interior em Tunes, capital da Tunísia, em protesto conta o assassínio de uma das mais importantes figuras da oposição.

Os manifestantes gritam palavras de ordem contra o movimento islâmico Ennahda, o partido político do primeiro-ministro Hamadi Jebali. O irmão de Chokri Belaid acusou diretamente o co-fundador e "líder intelectual" do partido, Rached Ghannouchi, de ter sido o instigador do assassínio.

Os tunisinos entoaram também o hino nacional à porta do Ministério do Interior, localizado em Tunes, na Avenida Habib Bourguiba, palco da revolta de 2011.

Dezenas de manifestantes invadiram os escritórios do Ennahda, em Mezzouna, a 75 quilómetros de Sidi Bouzid, que saquearam e incendiaram. Também em Gafsa, no centro do país, o escritório do partido também foi alvo de vandalismo, com móveis a serem destruídos e banners rasgados. Cerca de 700 pessoas manifestaram-se pacificamente em Gafsa.

Em Sidi Bouzid a policia foi forçada a disparar gás lacrimogéneo contra manifestantes que atacaram uma delegacia. O exército teve de intervir para acalmar a multidão. Esta cidade foi também um epicentro das revoltas que ocorreram no ano de 2011.