Filho de Omar Bongo compromete-se a perpetuar herança do pai

Ali Ben Bongo, filho do defunto Presidente gabonês e candidato potencial à sucessão, comprometeu-se hoje a perpetuar a herança de Omar Bongo Ondimba para "abordar serenamente" o futuro do Gabão.

O responsável, que é ministro da Defesa, falava durante as cerimónias fúnebres oficiais do seu pai em Libreville.

Numa homenagem à "filosofia do perdão" e ao "diálogo" que guiaram, segundo ele, a acção do Presidente Bongo, Ali Ben Bongo, falando em nome da família, declarou: "Esta construção (...) vai permitir-nos abordar serenamente o futuro das crianças do nosso país".

"Nós, os teus filhos, a tua família, assumimos o compromisso solene de manter acesa com a ajuda dos nossos concidadãos a chama sagrada da harmonia familiar, da concórdia republicana e da unidade nacional", disse.

Ali Ben Bongo não falou mais directamente da questão da sucessão, tabu neste período de luto, mas que já provoca lutas pelo poder nos bastidores.

Vários observadores aguardavam para ver se ele seria designado pela família para fazer a declaração fúnebre.

Segundo várias fontes próximas do poder, Ali Ben Bongo deseja impor-se como sucessor, suscitando resistências no seio do próprio regime.

O ministro da Defesa, ex-chefe da diplomacia, tem estado na primeira linha desde a morte do pai, anunciada oficialmente a 08 de Junho. Apareceu frequentemente na televisão e mostrou-se ao lado da Presidente interina, Rose Francine Rogombé, encarregada pela Constituição de organizar eleições presidenciais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.