Egípcia despe-se em nome das mulheres e da liberdade

Aliaa colocou esta fotografia nas redes sociais a poucas semanas das primeiras eleições democráticas da história do Egipto, que se realizam a 28 de Novembro.

De acordo com a edição online do El Mundo, Aliaa Elmadhy, uma jovem egípcia que se auto-intitula "secular, liberal, feminista, vegetariana e independente", difundiu através do seu blogue e páginas do Facebbok e Twitter uma fotografia onde surge completamente nua - apenas com uns sapatos vermelhos e umas meias. Tudo com dois grandes objectivos: a luta pela liberdade no Egipto e contra a discriminação das mulheres.

Mas esta sua ousadia já mereceu fortes críticas de vários quadrantes da sociedade egípcia. Mesmo os mais liberais não viram com bons olhos esta "campanha", já que a nudez é um tema tabu no país.

"Tenho o direito de viver livremente em qualquer sítio. Sinto-me feliz e realizada quando sei que sou realmente livre. Os rectângulos amarelos nos meus olhos, boca e orgão sexual significam a censura do nosso conhecimento, expressão e sexualidade", referiu.

Esta não é a primeira vez que Aliaa cria polémica - foi ela também a autora da campanha via Facebook que defendia que os homens também deviam usar véu, uma forma de protesto contra o uso do "hiyab" por parte das mulheres.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.