Chade acolhe cimeira para analisar situação no país

O presidente do Chade, Idriss Déby Itno, anunciou hoje para 03 de abril a realização de uma cimeira extraordinária da Comunidade Económica dos Estados da África Central (CEEAC) para analisar a situação na Republica Centro-Africana (RCA).

"Após a análise da situação em Bangui, com a tomada do poder pelo Séléka (movimento rebelde), o presidente Idriss Déby Itno anunciou que N'Djamena acolherá a 03 de abril próximo uma cimeira extraordinária consagrada à crise na RCA", noticiou hoje a rádio nacional do Chade.

Segundo a mesma fonte, "a cimeira da capital chadiana estudará as possibilidades de retornar ao acordo de Libreville", assinado a 11 de janeiro entre o presidente deposto, François Bozizé, os rebeldes do movimento Séléka e a oposição, após uma primeira ofensiva que levou os rebeldes aos arredores da capital Bangui.

O anúncio da realização da cimeira foi feito pelo presidente chadiano à margem da cimeira do grupo dos países emergentes BRICS - Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul - em Durban, para a qual foi convido na qualidade de presidente da CEEAC.

Os rebeldes do movimento Séléka tomaram domingo a capital da República Centro-Africana, forçando o presidente François Bozizé a deixar o país.

O advogado Nicolas Tiangaye foi quarta-feira reconduzido como primeiro-ministro pelo novo homem forte da RCA, Michel Djotodia, líder do movimento rebelde Séléka, que anunciou a suspensão da Constituição e a dissolução da Assembleia Nacional.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.