Blackwater, o exército-sombra dos Estados Unidos

Um dos mais poderosos exércitos-sombra do mundo, composto por mercenários, a Blackwater é tão secreta que nem os membros do Congresso norte-americano sabem das suas actividades.

Durante a guerra do Iraque,  a administração Bush, além da máquina militar que colocou no terreno, enviou um exército-sombra denominado Blackwater, o mais poderoso exército privado do mundo, composto por mercenários contratados.

Fundada por Erik Prince em 1996, a Blackwater, sedeada nos Estados Unidos da América, na Carolina do norte, é tão secreta que as suas baixas em combate não são conhecidas, os seus crimes não são punidos e o próprio Congresso norte-americano não tem acesso a qualquer informação acerca da organização ou das suas actividades.

A primeira vez que a maioria das pessoas teve conhecimento da sua existência foi em 2004, quando quatro dos seus operacionais cairam numa emboscada, no Iraque, tendo sido mortos e arrastados pelas ruas como troféu.

Com cerca de 23 mil operacionais em actividade, espalhados por nove países, e mais 20 mil contratados de prevenção, os mercenários da Blackwater consideram-se a si mesmos como estando acima de qualquer lei. Em actividade também dentro dos Estados Unidos da América, fortemente armados e circulando em carros sem identificação pelas cidades do país, são considerados por alguns como uma ameaça à democracia.

Como Erik Prince formou a Blackwater

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.