Aminatu recebe tratamento médico nas Canárias

Activista sarauí regressa a território espanhol, depois de ter passado 32 dias em greve de fome no aeroporto de Lanzarote, entre Novembro e Dezembro de 2009

Aminatu Haidar voltou a pisar território espanhol, um mês e dois dias depois do seu regresso a El Aiún. A activista sarauí, que no final do ano passado esteve 32 dias em greve de fome no aeroporto de Lanzarote, nas Canárias, voou novamente para o arquipélago, mas, desta vez, para receber tratamento médico.

"Viajou para Las Palmas para poder receber tratamento médico. Ela disse que o faria quando pudesse", afirmou, à Efe, a vice-presidente da Associação Sarauí de Vítimas de Violações Graves dos Direitos Humanos, Djmi El Galia, acrescentando que a activista ainda está muito débil.

Aminatu esteve em greve de fome para exigir que as autoridades marroquinas lhe devolvessem o seu passaporte e a deixassem regressar à sua casa em El Aiún. Isso aconteceu apenas a 18 de Dezembro, 32 dias depois do início do protesto, que causou um grande embaraço ao Governo espanhol.

"Viajou também para renovar a sua autorização de residência espanhola, que caduca no dia 21, podendo ainda ir a Madrid", fez saber o Colectivo Sarauí de Defesa dos Direitos Humanos, organização que é presidida por ela. A activista sofre de problemas de estômago e vem tratar-se com frequência a Espanha.

Ao regressar a El Aiún, ficou confinada na sua casa, rodeada por forças de segurança marroquinas que não deixavam passar nem jornalistas, nem amigos, apenas familiares próximos. Ela queixou-se várias vezes de estar sob vigilância constante. Marrocos acusa-a de ser uma espiã ao serviço da Frente Polisário e da Argélia. 

O Sara Ocidental é uma antiga colónia espanhola no Norte de África. A ONU inclui-o na lista de territórios pendentes de descolonização. Mas Marrocos considera-o uma província sua. Numa resposta à mediatização que a acção de protesto de Aminatu provocou, o rei de Marrocos, Mohamed VI, ordenou a reorganização do Estado marroquino, abrindo a porta a um processo de regionalização.   

 

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG