Acabou cerco ao centro comercial e fala-se em 67 mortos

O Presidente do Quénia, Uhuru Kenyatta, anunciou hoje o fim do cerco ao centro comercial Westgate em Nairobi, ocupado desde sábado por um comando islamita armado, com um balanço de 61 civis mortos e ainda seis membros das forças de segurança.

"Humilhámos e vencemos os assaltantes", declarou Kenyatta, antes de precisar que "cinco terroristas foram mortos por disparos de balas e 11 suspeitos estão sob detenção".

"As nossas perdas são imensas mas fomos corajosos, unidos e fortes. O Quénia enfrentou o diabo e triunfou. Derrotámos os nossos inimigos e mostrámos ao mundo que podemos fazê-lo", acrescentou.

O líder queniano anunciou ainda três dias de luto nacional a partir de quarta-feira num tributo às vítimas do comando armado com ligações aos rebeldes islamitas somalis Shebab.

O grupo justificou o ataque devido ao envolvimento de Nairobi no conflito interno somali através da presença de tropas quenianas no país vizinho, no âmbito de uma missão internacional de apoio ao frágil governo de Mogadíscio.

Ao meio-dia de sábado, um grupo de assaltantes ocupou parte do centro comercial Westgate, disparando indiscriminadamente e lançando granadas sobre os clientes e funcionários.

O movimento islamita somali 'Shebab', com ligações à Al-Qaida, reivindicou o ataque.

Kenyatta disse que "estão em curso investigações forenses para estabelecer as nacionalidades de todos os envolvidos".

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.