80 mil haitianos ainda sem teto cinco anos após o terramoto

Amnistia Internacional revela que encerramento de campos de desalojados não significa melhoria de vida de ex-ocupantes

A recuperação do Haiti, que há cinco anos foi vítima de um devastador e mortífero terramoto, está longe de estar completa, apesar dos apoios que lhe chegam da comunidade internacional. A prová-lo está o relatório da Amnistia Internacional (AI), hoje divulgado, que revela como milhares de haitianos continuam sem habitação decente e segura.

A AI, organização internacional de defesa dos direitos humanos com sede em Londres, recorda no documento de 68 páginas que o terramoto de 12 de janeiro de 2010 no Haiti deixou mais de dois milhões de pessoas sem casa. Esta situação deveu-se em parte, adianta o texto hoje publicado, à "fraca qualidade das casas, a maior parte das quais fora construída pelos próprios residentes, utilizando materiais desadequados e deficientes técnicas de construção". E muitas das construções foram construídas em locais expostos a acidentes naturais.

Leia a versão completa na edição impressa do DN e no e-paper

Exclusivos