24 horas depois sauditas voltam a bombardear houthis no Iémen

Porta-aviões dos EUA está na região. Cargueiros iranianos estão ao largo das costas iemenitas. Diplomata saudita critica Teerão.

Menos de 24 horas depois de a Arábia Saudita ter anunciado o fim das operações aéreas contra as milícias houthis no Iémen, os bombardeamentos foram retomados ontem ao mesmo tempo que voltavam a verificar-se combates entre os elementos da rebelião xiita e as forças fiéis ao presidente Abd Rabbo Man- sour Hadi, atualmente exilado em Riade.

As forças dos houthis, xiitas apoiados pelo Irão, que se dizem prontos a negociar desde que cessem totalmente os ataques sauditas, conquistaram ontem uma base militar às forças do presidente Hadi na cidade de Taiz, no Sudoeste do país. Poucas horas depois, as instalações eram bombardeadas por aviões da coligação liderada pela Arábia Saudita. Outros alvos houthis no Sul do Iémen foram igualmente bombardeados ao longo do dia. A Reuters, citando testemunhos de residentes de Áden, noticiava o regresso dos confrontos a esta cidade costeira que é um dos bastiões dos apoiantes de Hadi, ouvindo-se tiros de artilharia, tanques e nutrido fogo de armas automáticas.

Leia mais no epaper ou na edição impressa do DN

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.