Morreu ministro da Educação timorense Fernando Lasama de Araújo

Lasama de Araújo morreu hoje no Hospital de Dili, na sequência de uma trombose com derrame cerebral. Tinha 53 anos.

O antigo vice-primeiro-ministro de Timor-Leste e atual ministro da Educação, Fernando Lasama de Araújo, morreu hoje, aos 53 anos, depois de uma vida dedicada à luta pela independência do seu país.

Fernando Lasama de Araújo morreu hoje no Hospital de Dili, na sequência de uma trombose com derrame cerebral.

O governante estava em coma, na Unidade de Cuidados Intensivos do Hospital de Dili, segundo uma fonte do Partido Democrático, a que Lasama presidia, que explicou que o ministro sofreu domingo uma trombose com derrame cerebral e que as equipas médicas descartaram, durante a madrugada, que pudesse ser transferido para Singapura para cuidados médicos adicionais.

Nos últimos dias, o ministro realizou uma visita por várias regiões de Timor-Leste, tendo mantido nos últimos meses uma agenda intensa de trabalho.

Nascido em Manutasi, no distrito de Ainaro, quando tinha 12 anos testemunhou o massacre de 18 familiares pelo exército indonésio, episódio que ditou o seu empenhamento político posterior.

Foi fundador e secretário-geral da Renetil, o organismo juvenil da resistência timorense, que tinha entre os objetivos inscritos na proclamação de 20 de junho de 1988 "isolar pronta e rapidamente todos os estudantes de Timor-Leste de todas as influências ideológicas, políticas, económicas e socioculturais desenvolvidas pelo governo fascista-militarista de Jacarta".

Preso durante a ocupação indonésia, em 1991, e julgado por crimes contra o Estado, lasama de Araújo passou seis anos e quatro meses na cadeia de Cipinang, em Jacarta, a mesma onde esteve o líder histórico da resistência timorense, Xanana Gusmão.

"Foi nos anos de Cipinang que aprendi com Xanana e outros prisioneiros políticos. A minha formação política vem de Cipinang", disse um dia.

Passou ainda por outras cadeias, em Bali e em Java, igualmente na Indonésia, e chegou a ser considerado "prisioneiro de consciência" pela Amnistia Internacional.

Aliás, esta organização de defesa dos direitos humanos ficou para sempre ligada à sua vida, pois foi na prisão que conheceu aquela que viria a ser sua mulher, a filipina Jacqueline Aquino Siapno, respeitada académica que na altura trabalhava para a Amnistia Internacional, e de quem tem um filho.

Em 1992, recebeu o Prémio Internacional Reebok pela sua atividade em defesa dos direitos dos timorenses, sob a ocupação indonésia.

Lasama de Araújo candidatou-se duas vezes às eleições presidenciais, em 2007 e 2012, mas foi através da liderança do Partido Democrático que foi nomeado presidente do parlamento em 2007, vindo depois em 2012 a assumir o cargo de vice-primeiro-ministro num Governo de coligação com o partido de Xanana Gusmão.

Como segunda figura do Estado, "La Sama" substituiu, em 2008, o então Presidente da República, José Ramos-Horta, ferido num ataque a 11 de fevereiro, ficando como presidente em exercício durante dois meses.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.