Dalai Lama

A voz que espalha a tolerância pelo mundo.

Quando há uns anos a Apple pôs em marcha uma campanha de publicidade (Think Different - Pense Diferente) fez uma acordo com o Dalai Lama para a utilização da sua imagem. "Eu sou aquilo que vocês quiserem, se tiver de ser um screensaver de computador, assim seja", foi a reacção do homem que incarna a dupla qualidade de líder político do Tibete (no exílio) e de guru do budismo à escala mundial.

O ponto de vista de Tenzin Gyatso, o 14.º Dalai Lama , é, como sempre, de uma extrema simplicidade: o que importa é divulgar a causa do Tibete e que as pessoas a encarem com simpatia.

E é isso que o guia na constante peregrinação à volta do mundo, que já o tornou na segunda figura mais conhecida, a seguir ao Papa, e numa das 100 personalidades mais influentes do planeta, no ranking de 2005 da revista Time.

Jetsun Jamphel Ngawang Lob- sang Yeshe Tenzin Gyatso, o nome que adoptou quando foi consagrado no topo da hierarquia do Tibete, há muito que perdeu as ilusões acerca da independência da sua pátria. A consagração dessa desistência foi oficializada no plano de paz que apresentou em 1987, no qual prevê o estabelecimento de uma região com algum grau de autonomia em relação a Pequim. No livro A Vida, a Morte, o Renascimento (uma espécie de auto-entrevista biográfica, editada em Portugal pela Asa), o tema é abordado de forma cristalina: "O Tibete foi independente durante séculos. Agora, já não o é. Devemos encarar as coisas de frente. Exigimos a autonomia, já não sonhamos com a independência. Mas queremos negociar na base de um respeito mútuo. As condições já não são as do passado e estamos preparados para nos inspirar nas palavras de Deng-Xiao-ping: um país, dois sistemas." Mas se Pequim tem usado esse princípio noutras regiões, parece muito reticente quanto ao Tibete, aparentemente receoso de que a autonomia baseada num princípio religioso possa conduzir, a prazo, a uma desanexação. E, é claro, devido à tensão que cultiva com a Índia.

É na índia, mais precisamente em Dharamsala, que o Dalai Lama estabeleceu um Governo no exílio, após ter abandonado o Tibete, em 1959, durante uma insurreição armada contra os chineses.

É aí, naquela que é conhecida por Pequena Lhasa, numa referência à capital do Tibete, que funciona um Parlamento e um Governo eleitos pelos tibetanos no exílio. É igualmente local de peregrinação de vedetas de Hollywood atraídas pelos princípios filosóficos expandidos pelo Dalai Lama , mas igualmente dos muitos políticos que o têm recebido à escala mundial. Das Nações Unidas, ao Vaticano, as portas têm estado permanentemente abertas a este homem que já teve a tentação de regressar, mas que sempre chega à conclusão de que é mais útil no exterior. "Embora refugiado, permaneço livre, livre de falar em nome do meu povo. No mundo livre, sou mais útil como porta-voz."

Foi também em Dharamsala que, a 6 de Julho deste ano, Tenzin Gyatso comemorou o seu 70.º aniversário, numa festa em que participaram mais de 10 mil pessoas, entre tibetanos e estrangeiros.

É com a tranquilidade que coloca em cada palavra que encara a morte. Mas sabe que, quando isso acontecer, o Tibete poderá conhecer dias de raiva. Os chineses não se cansam de repetir que têm legitimidade para escolher o seu sucessor, mesmo sabendo que, com a internacionalização da causa tibetana, ele será sempre visto como um fantoche. Uma coisa é certa, quando o 14.º Dalai Lama morrer, um grupo de monges por-se-á a caminho à procura da sua reincarnação. Na bagagem, levam alguns dos brinquedos preferidos da infância de Tenzin Gyatso na esperança de que uma criança, algures no "tecto do mundo", exclame, como todos os seus antecessores, "é meu, é meu".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG