Os protestos das feministas ucranianas

A acção das activistas do Femen ultrapassa as fronteiras e, nas próximas eleições, vão lutar por lugares no Parlamento da Ucrânia.

Activistas ucranianas do grupo Femen saíram à rua em acção de protesto. Foi no dia das comemorações da independência da Ucrânia. As mulheres, exibindo os seios nus, juntaram-se a outros contestatários do regime.

Não é a primeira vez que as activistas do Femen marcam, de forma despojada, presença nas ruas. Dias antes, manifestaram-se diante do tribunal que está a julgar a antiga primeira-ministra da Ucrânia, em Kiev. O Femen acredita que Iulia Timochenko é inocente das acusações de ter recebido luvas quando assinou, há dois anos, o contrato de fornecimento de gás com a Gazprom, gigante russa do sector.

O caso da antiga primeira-ministra voltou estar presente na manifestação de protesto no dia da independência, no dia 24. Iulia Timochenko está em prisão preventiva em Kiev. Na segunda-feira, os seus advogados anunciaram que Iulia estava "seriamente doente", e pediam pela oitava vez a sua libertação.

A acção das feministas ultrapassa as fronteiras. Em Junho, seminuas, como é habitual nos protestos, manifestaram-se em frente da Embaixada da Arábia Saudita, em Kiev, para apoiar as mulheres sauditas e criticar a repressão de que são vítimas. Num dos cartazes que exibiam, lia-se: "Carros para as mulheres, camelos para os homens."

As vigorosas activistas do Femen, como é fácil de ver, têm ambições políticas e vão lutar por um lugar no Parlamento ucraniano nas próximas eleições. O seu principal alvo é Viktor Yanukovych, o Presidente ucraniano.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG