Uma enciclopédia sem última página

Quem colabora com a Wikipédia, uma das maiores marcas da Internet, diz que este é um projecto que nunca está terminado. A maior enciclopédia do mundo faz hoje dez anos.

Imagine um mundo em que todas as pessoas podem aceder livremente à soma de todo o conhecimento humano. É isso que estamos a fazer." As palavras de Jimmy Wales podem até soar a mera utopia, mas a verdade é que este americano de 44 anos é um dos fundadores da maior enciclopédia do mundo. Wales criou a Wikipédia, uma enciclopédia online de acesso livre que conta actualmente - dez anos depois de ter nascido - com cerca de 400 mil visitas mensais, 3,5 milhões de artigos em inglês e um total de 17 milhões de artigos em 270 línguas diferentes.

Filho de um antigo gerente de uma mercearia no Alabama, Wales é viciado na Internet e desde cedo começou a descobrir as potencialidades da rede. Depois de se ter licenciado em Finanças, começou a fazer investimentos em várias firmas ligadas ao sector da Internet e acabou por abrir a sua própria empresa.

O primeiro site de Wales era uma espécie de motor de busca dirigido ao público masculino que chegou mesmo a conter imagens eróticas. Apesar de este projecto ter falhado, foi desta empresa que partiu o financiamento para a criação daquela que hoje em dia é uma das cinco maiores marcas da Internet.

O seu fascínio por enciclopédias acompanhava-o desde pequeno e foi em 2000 que decidiu criar a Nupedia, uma enciclopédia online. Para o ajudar na tarefa, chamou Larry Sanger, um filósofo que tinha conhecido alguns anos antes. Sanger assumiu o papel de editor executivo do novo projecto, ainda bem diferente da Wikipédia que hoje conhecemos. A Nupedia era um projecto fechado à colaboração de especialistas e a ideia era incluir publicidade nos artigos, de forma a gerar lucros. Mas o processo era demasiado lento, e Sanger decidiu aplicar a tecnologia Wiki (que em havaiano significa rápido), que permitiu a colaboração online de outros utilizadores.

O sucesso da ideia levou ao encerramento da Nupedia, e há exactamente dez anos, a 15 de Janeiro, foi lançada a Wikipédia: "A enciclopédia que todos podem editar."

Combater o vandalismo

"Todos" quer mesmo dizer todos. Qualquer pessoa pode ser editor da Wikipédia. Basta abrir um artigo, clicar na opção "editar" e a partir daí é possível corrigir, clarificar ou expandir informação, desde que seja respeitado um dos princípios básicos desta enciclopédia: o princípio da imparcialidade. "A Wikipédia é sempre um projecto inacabado. Há sempre algo de novo para escrever, novas informações a acrescentar e novos conhecimentos por explorar", explica ao DN André Barbosa, um dos cerca de 30 administradores da Wikipédia Lusófona. André, estudante de Engenharia Ambiental, integra ainda o conselho de arbitragem, que tem como principal função resolver "guerras de edição", que ocorrem com alguma frequência, por exemplo, em temas sobre religião.

Os administradores são editores que, pelo seu histórico de trabalho na Wikipédia e pela boa interacção com os outros utilizadores, ganham privilégios dentro do sistema e podem eliminar páginas de conteúdo impróprio, bloquear utilizadores que vandalizem páginas ou editar artigos que estejam totalmente protegidos. "Os administradores costumam ser pessoas que interagem bem e aceitam as sugestões dos outros", explica Manuel Anastácio, professor de Matemática e um dos mais antigos colaboradores da Wikipédia lusófona.

Existem várias histórias de vandalismo na Wikipédia como quando alguém alterou um artigo sobre Platão e escreveu que o filósofo da Grécia antiga era um apresentador da meteorologia nascido no Havai.

A forma mais rápida de detectar estes casos é estar atento à página "mudanças recentes", que regista todas as alterações, sendo possível reverter a edição para a sua versão anterior. Existem "várias ferramentas a que os editores podem recorrer", refere André Barbosa, explicando que existe, por exemplo, o robô Salebot, que é "um conjunto de scripts que, através da análise de edições, reverte edições com vandalismos específicos e avisa os editores".

Apesar da vigilância apertada, a desconfiança em relação aos conteúdos da Wikipédia é grande. Mas esta enciclopédia não pretende que os utilizadores confiem cegamente na informação disponibilizada. Manuel Anastácio diz que "a desconfiança é uma coisa saudável. A Wikipédia quer que as pessoas verifiquem a informação. Muita gente já foi salva pela Wiki quando precisou de uma resposta rápida, mas esta enciclopédia deve ser só um ponto de partida."

Bem-vindo à Wikipédia, a enciclopédia livre que todos podem editar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)